segunda-feira, 16 de junho de 2008

• (Outra) Pequena indignação inútil

Minhas pequenas revoltas com o sexo feminino são, em geral, passivas e relativas ao que fazem e/ou deixam fazer consigo mesmas, mas deixo esse frango com polêmica pra outro dia. Hoje o que me encafifa mesmo é o desconhecimento do sexo oposto (se alguém aí for daquelas que acham que pagar motel é 'obrigação do homem' - ou que qualquer obrigação seja pautada pelo gênero, desista desse texto e clique aqui).
Não acho que haja algum sentido em manter-se indiferentes a certas sutilezas de seus 'focos de interesse' (caso heterossexuais), a menos que ainda valha a visão machista do "um que serve ao outro e pronto". Nos tempos de pretensa igualdade, conhecer o outro em suas nuances é no mínimo desejável.

Pois não é que, em pleno século XXI, mulheres com bom nível sociocultural (seja lá o que isso significa) não fazem a MÍNIMA idéia de como funciona a pióba dos parceiros?

As mesmas que curiosamente cobram que os homens saibam, de cor e salteado, a localização exata dos pontos G, X, W, Ypisilones e Hipotenuzas (que em geral as próprias desconhecem). Em defesa, alega-se que a suposta facilidade em observar um órgão, digamos, 'mais exposto', dê margem à descuriosidade de algumas.


Num papinho informal, pequenas touperinhas faceiras, injustamente agraciadas com dois cromossomos X, bombardearam meu pobre ouvidinho, já tão calejado, com suas avaliações deveras fundamentais e jamais vistas desde as vídeo-aulas de Martha Suplysexo, no saudoso Mulher 90 da Rede Manchete. Seria um exemplo a ser tratado isoladamente, se não fosse comum.
Sim, também é fato que muitos machos (ou correlatos) desconhecem que o buraquinho da uretra não é o mesmo do útero (espanto que presenciei mais de uma vez - e mais de uma vez senti a famosa Vergonha Alheia). Logo, a idéia aqui é apenas mostrar que nem só de cuecas forma-se o bloco dos Desavisados. E aproveitar, claro, para dar algumas modestas aulinhas:


***
Bãodia minha zamiga!
A Redação de Uaderrel tem o incomensurável prazer fingido de entreter, elucidar e, quiçá, educar o populacho ignóbil!
Hoje vamos falar dos testículos (as bolas guardadas naquela necessaire de couro que batuca no seu períneo durante o coito).

Vocês sabiam, minha zamiga, que eles precisam manter-se numa temperatura menor que a do corpo humano?

Por isso ele fica fora do corpo: para trabalhar direito (e manter seu macho, macho), o músculo cremaster (uma espécie de suspensório – a alça da nécessaire) ergue ou abaixa as boletas, aproximando ou afastando-as do corpitcho sarado do seu boy em busca do ponto ideal. Ou seja, aquela porra daquela MERDA de cueca branca super-agarrada que você teima em achar sexy e obrigatória a todo homem porque marca o elefantinho do seu bofe (ou antinha, se der azar), na verdade só serve pra inutilizar o trabalho do pobre escroto (o saco, não o boy, o que por si é um saco).
E por falar em saco, uma das propriedades do Kinder-Ovo de carne é doer pra diabo. (Confira o corte longitudinal neste link).
Se chupá-lo com força dói?
Ah, minha zamiga, coloque seu globo ocular no bocal do aspirador de pó ligado no 220V e descubra, estupefacta, a pura verdade!

Outra superdica: é absolutamente comum que um testículo esteja quase sempre mais alto que o outro. Isso ocorre devido a diferenças na estrutura anatômica vascular nos lados esquerdo e direito e, portanto, seu namorado não está cum pobrema.

***
É a Redação de Uaderrel promovendo a Educação!
Mais informações a qualquer momento, numa espermatogenese pertinho de você!

6 comentários:

Vinícius Castelli disse...

Mas quantas bolas......

Karin disse...

hahahahahahahahahahahahahahahahaha
hahahahahahahahahahahahahahahahaha
hahahahahahahahahahahahahahahahaha
hahahahahahahahahahahahahahahahaha

웃 Mony 웃 disse...

Depois que ouvi umas criaturinhas sem noção não saberem enm acerca de quantas cavidades têm na própria região íntima, essa notícia não é de surpreender... :(
Querem tanto e não sabem nem fazer o ó com a bunda...

Walter disse...

Um esclarecimento adicional: se o macho não for judeu ou, simplesmente, não extirpou aquela sobrinha popularmente conhecida como "bico-de-bule" (o ecologicamente correto recomenda que se recicle esta pelinha, aproveitando-a para confecção de uma jaqueta, um par de luvas ou apenas para trocar o forro do tamborim), seria de bom alvitre não manipular o bingulim como se estivesse descando uma calabreza defumada para feijuca do sábado. Seja delicada e imagine-se lidando gentilemente com uma gola rolê.

De Marchi ॐ disse...

Oras bolas! hehehehehe
Isso aí! Bilau não é banana: não precisa descascar.

웃 Mony 웃 disse...

É só o assunto ser sexo que todo mundo tem algo pra falar... :P