quarta-feira, 15 de abril de 2009

• Quero ser excomungado - parte II


É como dizem: reconhece-se um padre pelo colarinho.

Alguns amigos cobraram notícias sobre a Campanha "Quero ser excomungado" comentada no tópico anterior. Fiquei surpreso com as reações (aproveito para pedir que postem aqui nos comentários e não só diretamente a mim - é sempre legal que o debate seja público).


Bom, a primeira coisa a dizer é que a tal petição não foi feita. Isso aí, não foi. Entre os motivos principais, o mais básico (sugerido na postagem anterior):
a iniciativa foi só pretexto e emplacar um cirquinho e tirar uma onda.
Que que foi? Só Papa pode fazer palhaçada? Não creio que esta instituição mereça resposta melhor ao seu mais recente circo, frequentemente remontado apenas para dizer "ei, não morremos, estamos aqui". Este é tão somente o objetivo das últimas polêmicas católicas romanas. Logo, levar a sério é cair no jogo.

Segundo: excomunhão não se consegue por petição. O que existe é a Apostasia, um registro formal de "defectio ab ecclesia catholica actu formali" na sua certidão de batismo (que continuará existindo).
Mas, calma! Você está automaticamente excomungado quando não cumpre algumas regras e comete alguns pecados, entre eles a heresia - coisa que eu, como vocês bem sabem, jamais cometo antes do primeiro pipi matinal. Excomunhões por decreto existem, mas em geral são manobras políticas nas quedas-de-braço entre a Igreja e Estadistas, cientistas, celebridades ou figuras simbólicas de um contexto humano mais amplo - ou seja, não se aplicam a você, pé-rapado sem eira nem beira (hehehe).

Terceiro: quem procura meios para a excomunhão está com isso reconhecendo a autoridade da Igreja, ou melhor, alguma autoridade. E aí? Se você diz que "a despreza e quer esvaziar as paróquias", então simplesmente não vá na missa, oras. A última vez que botei um centavo na cestinha de uma igreja foi em Cruzeiros, na primeira (e única) eucaristia.
Se a Igreja diz que fulano foi escomungado, por acaso você acha que eles vão saber se o cara entrar numa igreja em Pirapora e tomar a comunhão mesmo assim? Poizintão, mermão. Igreja não tem catraca eletrônica. Essa expulsão é um ato simbólico, como todo o resto nessa papagaiada. E símbolos só têm valor quando cremos neles.
Reforçando a lógica: assim como todo "católico não-praticante" (algo como um vegetariano comedor de salame), eu tô fora desde o dia em que fui lá engolir a primeira moeda de farinha pra agradar a vovó e nunca mais voltei. Isso vale pra você também, que só aparece no templo em festa de casamento.
Igreja não tem valor jurídico; seu nome estar num livro numa paróquia de Itapipoca do Norte não significa coisa alguma. Então não se preocupe em estar "legalmente desvinculado" da Igreja, porque de legal ela não tem nada em termo algum. Então marque "não-católico" à vontade no formulário das Casas Bahia, na enquete da coleguinha na hora do pátio, no abáuti mi do orkut.

Pronto. Pode sossegar. E, pra não fugir da redundância prolixa habitual desse blog, peço encarecidamente que nos faça alguns favores (e por "nós", refiro-me a quem realmente tá cagando e andando pra essa corporação irresponsável):
a) Não dê tréla. Deixe-a espernear e tropeçar na própria incoerência. O Ratzinger é ótimo porque tá acelerando o processo de falência do mausoléu. Se fosse progressista, talvez iludisse alguns tolos que voltariam ao rebanho. Melhor assim, não? Além disso, ele tá sendo coerente: nada mais natural do que o Clube dos Pecuaristas defenderem o consumo de carne, certo?
Se você discorda da doutrina e do dogma, então essa religião não é pra você.

b) Não seja hipócrita. Seu diziminho esporádico vai alimentar a turba com muitos quitutes saborosos que a Somália esfomeada e aidética por falta de camisinha não tem. Ir em missa de sétimo dia pra "homenagear finado" também é uma piada (pra não dizer desculpa) - teu mortinho deveria estar no Céu, como dizem que disse o Cara da doutrina, ou no cemitério, como dizem os ateus, mas de modo algum ficará lisonjeado por você ficar 40 minutos levantando e sentando durante um ritual estéril, só pra ouvir o nome do morto citado friamente por um padre, por 4 segundos, no fim da babozeira.
Casar na igreja, pior ainda: muita gente só não se desvincula de vez pra não perder o direito de ir pro altar. Mas se o sonhinho da Cinderela envolve ser abençoada em seu casamento por um representante desses assassinos, é melhor o noivo repensar o passo que vai dar. Discorda mas quer bença, mailóvi?

c) Separe Cristo dessa história. Pra começo de conversa esse fã-clube de corvos não canta as músicas do próprio ídolo (se eles são cristãos, eu sou a Amy Whinehouse). Jesus, seja qual for sua realidade (e não importa), é um avatar histórico e cultural relevante e merece respeito como uma das ideias formadoras da mentalidade humana atual, num estágio onde se fez necessário. Você tem algo de cristão ainda que não queira, posto que nasceu e herdou valores de uma sociedade ocidental de base cristã. Odiá-lo é coisa de satanistinha metaleiro, revoltado porque acabou o Toddynho: se você é cristão, crê e pronto. Se não crê, tanto faz - ignora. Mas se renega e agride a figura, então tá reconhecendo a existência e o valor (ou você odeia o que não existe?)

d) Nos poupe de discursinhos. O Papa excomungou um médico que ajudou uma menina estuprada? E daí? Grande merda. Se a Associação dos Colecionadores de Catota Colada Embaixo da Cadeira repudiar-me, eu sinceramente não vou chorar porque não têm valor pra mim. Se você acha que a menina está sofrendo e isso o incomoda, pense em ajudar com coisas mais práticas (por exemplo, oferecendo apoio à família - o que envolve dinheiro, psicólogos, advogados, pressão política da opinião pública para o cumprimento da Lei etc).

Muita coisa rolou desde aquele episódio. Por exemplo, o terremoto em Abruzzo, na Itália, que destruiu Áquila (por coincidência, de onde veio parte da minha família). Ratzinger resumiu-se a dizer que "rezaria pelos desabrigados e pediria misericórdia a Deus pelas almas dos mortos" - isso, tendo dinheiro pra montar e desmontar 50 Abruzzos (que, veja só, fica a uns 100 km de Roma).
A propósito, "misericórdia" pelo quê? Eles provocaram o terremoto? Uatéver...
Se acha isso absurdo, guarde suas palavras de ordem pra si e pros desabafos nos botecos, porque o Vaticano não ouvirá de qualquer modo. Difira-se desses caras-de-pau levando a quem precisa a ajuda que eles sequer cogitaram dar, nesta e nas muitas Abruzzos ao lado das nossas casas, por exemplo. E use preservativo, porque a Igreja liga pra vida do seu filho só enquanto ele não nasce. A escolinha, o pediatra, o bulling e tudo mais até a faculdade são por tua conta. Então goze, desenvolva a tolerância, invista na liberdade das pessoas, escolha seus caminhos, seja responsável... faça o que quiser e não encha o saco. Com o tempo não será preciso dizer para os homens livres esquecerem a Igreja, porque ninguém lembra do que não se move, estagna e morre.

Eu não sigo Cristo, mas sigo a ideia que disseram que o Pai dele diz gostar, que é a de fazer algo legal pelo próximo (que o próximo queira). Então você, cristão de carteirinha, lembre-se do São Chiquinho de Assis, que ganhou uma superigreja e a primeira coisa que fez foi destelhá-la pra construir casas aos pobres. Seja um agente ativo do que você acredita e mão na massa.



Amém pra quem é de amém e abraço pra quem é de abraço (a encoxada pra quem é de encoxada eu não mando, porque a patroa é ciumenta e lê este brógue).



[edit]
OBS: Se você ainda quiser romper laços formalmente com a Igreja Católica Apostolica Romana, confira esses dois links:

Apostasia (definição)

Pedido de Apostasia

8 comentários:

Moacir das Candongas disse...

Eu ia dizer exatamente quase isso mesmo e um pouco mais!

웃 Mony 웃 disse...

A menina não foi excomungada, excomungados foram os médicos pq optaram por fazer o aborto nela... A pobrezinha nem sabia que estava grávida.
A porra do padrasto estuprador ninguém sequer levantou o dedo pra falar dele... Tudo teatro do mais barato e hipócrita mesmo...
Bom, minhas crenças, que são cada vez menos fora e muito mais dentro de mim, estas eu levo adiante, todo o resto, que se lasque...

Ah! Fdp! Se euzinha não lesse tu mandava! :p
Então tá então... :D

De Marchi ॐ disse...

Olha... não é que eu não ache a turba do Ratzinger o que há de pior entre os canalhas do tipo. O fulano me dá nojo e faz meu sangue ferver pela tremenda irresponsabilidade, pra dizer o mínimo. Mas acho mesmo que a melhor resposta é ignorar, limar seu suposto poder simplesmente não dando atenção ao que diz (porque no final das contas, não tem mesmo importância). Quanto menos gente financiá-los, menos terão espaço pra falar merda.

Mariana disse...

li a biblia justamente para confirmar o que eu já sabia:

ninguém sabe de nada ao certo
e cada um tira as suas conclusões e vive de acordo com elas

o mesmo vc ve com o Corão (esse eu nao li)

cada um tb tem a sua leitura e vive de acordo com ela
nao existe em nenhum momento na biblia cristo fundando uma religiao

e sim derrubando os mandamentos e instaurando o famoso: amais uns aos outros como a ti mesmo

tá na cara que faz isso quem quer e nao quem segue essa ou aquela religiao

a madonna, "pecadora" de carteirinha e presidente do fa clube dos hereges mandou 500 mil para a prefeitura de abruzzo

religiao nao serve para nada a nao ser para vc se sentir parte de uma panelinha, aprovado pelos olhos de alguns e tal

eu nao preciso disso

e querer ser unanimidade dá trabalho tenho mais o q fazer

como ler esse bloguinho supimpa e cuidar do meu cachorrinho hehehe

A Moça disse...

Inch Allah!!! :D

Manooster disse...

Olha, você falô aí o que eu vivo pensando, mas nem sempre dá pra comentar (represália, rsrsrs): A Igreja só tem poder com quem se deixa influenciar. Vivemos numa era de liberdade (tá bom, tem uns que exageram...). Dogmas, tronos, cetros e belas palavras não fazem diferença na vida de ninguém, não é mesmo?! Me importa mais jogar um cobertor nas costas de quem passa frio ao relento do que ser excomungado, aí vem a palavrinha mágica pouco divulgada entre os cristãos: Altruísmo!
Éniuêi, a última vez que provei uma hóstia foi quando os Menudos ainda faziam algum sucesso, hehehe..

Mariana disse...

Não se reprima, Não se reprima, Não se reprima, Não se reprima, Não se reprimaaaaaaaaa :-P

Gi Caipira disse...

É por essas e outras que eu não como carne de porco ...