sábado, 5 de setembro de 2009

Uma palavrinha sobre os Bíblicos - parte1

Paz de Cristo, amiguinhos!
Não, eu não vou subir no livro pra falar. Só quero comentar uma belezura que chegou novamente aos meus ouvidos (como, provavelmente, vive a chegar nos vossos também).

Muita polêmica e rebosteio tem sido movido nesses tempos de chove-não-molha entre Rede Grobo e Igreja Universal do Dólar de Deus. Tanta, mas tanta, a ponto da crentaiada sentir-se obrigada a dizer algo, a levantar um álibi, a tirar da reta - movimento comum em tempos onde a pá do ventilador respinga por todos os lados.
Até aí, beleza. Bom pra estimular o debate. O problema é o discurso, tão incoerente quanto os daqueles que querem justificar sua fé dizendo que algo nela é científico.
A síndrome do "num fui eu" chegou com tudo entre os evangélicos. Ninguém matou Joana Darc, assim como ninguém votou no Collor. Alguns poucos com acesso à cultura vêm dizendo, a boca miúda - miudinha - que não aceitam a Universal, a Renascer, a Quadrangular, a Sextavada com hipotenuza convexa e correlatas. Não admitem, não toleram, têm nojinho da bandalheira. E mais: exigem que não se faça confusão entre esses e aqueles, pois generalizar é pecado.

Ótimo. Só tem um probleminha.
O coerente, então, seria que todas igrejas as ditas "sérias" não aceitassem essas outras até em suas Confederações e Uniões... mas, se os próprios não fazem distinção, não serão os leigos a fazê-la, certo?

É curioso. Se alguém usar indevidamente o logo de uma empresa, por exemplo, é processo na certa. Daí usam o nome do seu Jesus pra estelionato e os ditos 'bons' não se movem?
Bons em quê então, me conta? Em fazer passeata de mãos dadas com bandido? Em engordar a bancada de pastores no Congresso do meu Estadinho laico?
O máximo que vejo são alguns fiéis postando-se publicamente contra essa corja, nunca as instituições. E esses, contentam-se com uma postadinha de orkut, um comentarinho na fila do açougue. Cobrar postura dos pastores, nada.

Tsc tsc, ovelhinha!
Uma OAB não precisa exigir ser levada a sério, pois não aceita advogado sem diploma (ao menos não tão descaradamente). Estão cobrando o quê?
Sei bem que a liberdade de crença é o que regula a história (ou melhor, não regula nada) e 'ninguém pode proibir' (?) que templos do tipo existam. Mas daí a se juntar com os malandros por uma conveniência qualquer que justifique a vista grossa... vai longe.
As maiores interessadas nessa separação seriam justamente elas, não? Os caras estão queimando o filme de todos e ainda por cima cagando no nome do seu deus.
Quem deveria combater os falsos profetas?
Ou cabe ao coitadão que cai lá na boca do lobo, em desespero de causa, diferenciar "a boa da má palavra"?
Só faltava essa... o puto, fudido e lascado ainda ser culpado por lhe passarem a perna. Muito cristão de vossa parte.
Não vou nem comentar que pedir (ou aceitar) mais que 10% da grana de qualquer um é usura segundo seu próprio Livro (dízimo=10). Então não basta não tirar encoxto, não curar AIDS com reza e não dar cambalhota no templo com pomba-gira. Segundo dizem, se Cristo gostasse de grana, tinha nascido em Roma, não em Nazaré.

Pessoalmente, creio que coerência não seja algo que se cobre de qualquer religião de massa mas, até aí, foda-se minha opinião. Só não dá pra pagar de bom-moço, de isentos, enquanto deixam esse tipo de coisa acontecer. Então perdoe-me, crentaiada séria desse mundão de meu Deus, mas nesse papinho eu não caio, não. Mexam-se.

Os hipócritas, falta-lhes o culhão que seu mestre teve em expulsar os mercadores do templo. Mero repudiozinho de buteco, papai-do-céu castiga.


Amém?
Amém!


*(até aqui não se discutiu religião em si, então não venham com papinho de "respeito à crença blablabla e tal").

Nenhum comentário: