sábado, 19 de dezembro de 2009

Nietzsche (Saúde!)

Alguém já parou pra pensar que Nietzsche... assim... era um puta dum doidão?

Pinéu mesmo, treze total. Seja por sífilis, com tumor no cérebro ou o que quer que se alegue, o bicho era doido. Não bastasse um nome com cinco consoantes seguidas, o cara dava nó em gota e morreu num hospício.

É gostoso romantizar, claro, e pensar que ele ficou lá porque o mundo não estava preparado para reconhecer seu brilhantismo. De fato não estava, mas não é por isso que ele foi internado.

Isso tudo é só pra dizer que, por mais legal, criativo, maravilhoso e genial que seja uma ideia dum doido, não se pode esquecer a condição de sua fonte. Segundo o próprio Nietzsche, aliás.
Loucos podem ser geniais - em geral, a linha é mesmo das mais tênues - mas a perda daquele fiapinho derradeiro de contato com a realidade faz muita diferença.

Claro que em muitos esse fiapinho é a corrente de uma âncora. Claro que também pode-se questionar , numa masturbação mental ad aeternum, o que é sanidade, coisa e tal. Mas dá pra intuir, por exemplo, que certas coisas estão mais para a poesia, utópica e vivenciável apenas como horizonte e referência, do que para filosofia aplicável.

Li Nietzsche cedo demais, o que de certo modo saiu-me 'catastrófico'. Cheguei a achar que fosse o verdadeiro anticristo (e não o fanfarrão do Crowley - o que sob certa ótica ainda penso). Sofri para relacioná-lo com as correntes filosófica anteriores etc (tudo isso como esporte, não tenho maiores pretensões em relação ao tema). Demorou para lê-lo como realmente era-me útil.

Nietzsche (saude!) era um romântico. Um romântico com distúrbios mentais, absolutamente genial. Um Poeta.

Ele mesmo deu a dica: também para lê-lo é preciso abdicar da razão.
E ao parar de ler... voltar com os pés no chão.

Sabem como é... em abismo, amiguinhos, eu só pulo de bungee jump!

2 comentários:

웃 Mony 웃 disse...

É preciso ter muita força interior pra ser genial e manter a cabeça nesse mundo... O mundo atual ainda favorece mais a fuga...
O cara era mesmo um gênio. De uma poesia encantadora, forte e quase que crível como ideal. Mas, somos homens, não seria possível...
Para bem e para mal, podemos transcender aquele sonho, cada qual no seu ritmo, na sua esfera de ação, no seu momento... O tempo todo, não.
Não pq somos muitos em um...
O sonho é sempre mais bonito, mas a realidade é sempre melhor, pq pode existir.
Ainda assim, deliremos em doses homeopáticas, segurando a linha da pipa, e direcionando-a. Que assim não há perigo, só deleite.

Gi Caipira disse...

Nietzsche morreu, antes ele do que eu! :D