quarta-feira, 1 de outubro de 2008

• Geografia determinista?

Será que a geografia de um lugar molda o caráter das pessoas?
Um clima árido torna as pessoas duras? Londrinos são frios e nebulosos como os fogs ingleses? Gregos são ríspidos como suas terras pedregosas do mesmo modo que os caribenhos possuem a displicência úmida do clima quente?

Este recurso passou de literário a literal, nas bocas e mentes xenófobas do mundo, ou é impressão minha?
Cá entre nós, sempre achei que caráter não escolhe nacionalidade, a despeito da política fascista insistentemente afirmar o contrário.

Qual a sua opinião?

3 comentários:

웃 Mony 웃 disse...

Se for pensar desse jeito tenho desculpa e alvará pra falar até mais palavrões e expressar mil baixarias, com a desculpa que minha mente é poluída pq moro no ABC...
Ah! Mas que tem políticos daqui com o caráter (será que um dia eles souberam pra que serve isso?!) mais manchado e podre que o rio Tamanduateí e o Tietê juntos!

A única geografia que determina o caráter de uma pessoa é a de onde fica a latitude da vergonha na cara com a longitude do respeito. Trópicos como o da dignidade e meridianos como o do bom senso.
Tem gente de família boa, que teve conduções e boa educação e cultura descambando pra marginalidade, e muita gente com família desestruturada e sem condições mínimas de vida cuja semente vinga e frutifica lindamente em gente decente e que consegue fazer não só pra si.
Claro que é interessante fornecer o básico a todos, é mais justo até. Claro que com bons exemplos e boas referências fica mais fácil trilhar um caminho, mas isso não é desculpa, quem quer faz. Ou, na situação de miséria que vive a maioria desse país, teríamos tudo pra ter mais bandidos do que gente e ao que me consta, nosso povo é muito trabalhador...

Diaba Lorena boazinha. disse...

Como disse um grande amigo meu,o Malicky, importa, sim.

(tentarei explicar o ponto de vista dele)

As maiores potências, os mais desenvolvidos, são países localizados em regiões frias. Os países mais "bunda" estão em áreas quentes.

É como alimento fora da geladeira. Estraga.

(acho que esqueci alguma coisa - Ah! Foi minha mão! Esqueci na cozinha. Vou buscar. Estou teclando com a testa)

Janaina disse...

Denuxito nunca tinha pensado nisso dessa forma, mas concordo com o que a Mony escreveu. Acho que todo mundo tem a sua volta exemplos como os citados por ela. :)